Visionaris

Prêmio UBS ao Empreendedor Social

Como demonstração de seu compromisso com a sociedade, o UBS criou o Visionaris - Prêmio UBS ao Empreendedor Social para apoiar o trabalho de empreendedores sociais de destaque. Com essa finalidade, o UBS AG se associou no ano de 2004 à Ashoka, organização internacional fundada em 1980 com o propósito de colaborar para a profissionalização dos empreendedores sociais ao redor do mundo.

Para o UBS, um empreendedor social é uma pessoa extraordinária que possui visão, criatividade e determinação de um empreendedor de negócios, mas usa essas qualidades para projetar soluções sistêmicas no intuito de atacar problemas sociais complexos.

Através do Visionaris, os empreendedores sociais adquirem quatro tipos de capitais, sendo que a combinação pode funcionar como catalisadora para as suas atividades de mudança social:

Capital financiero

O Visionaris concede 25.000 dólares ao vencedor e 5.000 dólares a cada um dos finalistas. Os fundos têm sido utilizados para projetos que têm sido estratégicos para o futuro destas organizações.

Capital social

O Visionaris dá a oportunidade de conhecer potenciais doadores e partilhar experiências e boas práticas com os seus pares, bem como especialistas. Os meios de comunicação também publicam informações sobre as suas iniciativas.

Capital simbólico

O Visionaris reconhece o trabalho realizado pelos empreendedores sociais e motiva-os a continuar com os seus esforços de mudança social

Capital intelectual

Os finalistas são treinados para a avaliação de projetos, angariação de fundos eficaz e dicas sobre como melhor apresentar as suas iniciativas. O vencedor receberá um serviço de consultoria gratuita prestado por uma das principais empresas de consultoria global.

Visionaris 2020 – Inscrições encerradas

O tema do Visionaris 2020 é "Construindo um futuro sustentavel". Em 2015, os países membros das Nações Unidas decidiram adotar 17 Metas e 169 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, como um apelo universal para acabar com a pobreza, proteger o planeta e garantir que toda a humanidade desfrute da paz e da prosperidade para 2030. Em outras palavras, foram projetados como um modelo para um futuro mais sustentável para todos.

Dada a magnitude dos problemas que essas metas são abordadas e o enorme custo associado ao seu tratamento, é necessário alcançar não só a participação dos governos nacionais, mas também do setor empresarial, fundações filantrópicas e sociedade civil em geral. Nesses esforços, o UBS acredita que os empreendedores sociais podem desempenhar um papel fundamental.

Através do Visionaris, identificaremos os empreendedores que procuram realinhar relações, funções, incentivos e motivações que giram em torno de um problema social, para que toda uma comunidade possa experimentar melhorias substanciais e sustentadas em suas vidas. Para isso, eles buscam envolver comunidades locais, organizações sociais, governo e setor privado, entre outros, para trabalhar juntos, atingindo um impacto coletivo de escala que vai além do que cada ator poderia ter alcançado individualmente.

Vencedora

Ana Lúcia Pedro Fontes 

Instituto Rede Mulher Empreendedora
 

O Instituto RME tem como objetivo promover a autonomia financeira das mulheres por meio da empregabilidade, geração e desenvolvimento de negócios. Promove capacitação para mulheres, prioritariamente em situação de vulnerabilidade, em habilidades que são importantes para seu desenvolvimento pessoal e profissional. O Instituto treina voluntárias para replicar a capacitação em parceria com organizações locais, garantindo que o projeto esteja presente em todo o território nacional. A iniciativa é destinada a mulheres a partir de 16 anos que buscam oportunidade econômica por meio do empreendedorismo ou de empregabilidade.

A metodologia de capacitação do Instituto RME é dividida em duas trilhas: treinamento em habilidades sociais e treinamento em habilidades digitais. Após isso, as mulheres têm acesso a uma série de serviços para seguir aprimorando seus negócios, como desenvolvimento por meio de uma cartilha digital, plataforma com vídeos curtos e articulação em redes locais de empreendedoras. A atuação do Instituto contribui de maneira consistente para os ODS 5, 8, 10 e 17.

Alguns resultados da iniciativa são: 

Finalista

Carlos Rodrigo Castro

Associação Caatinga

A Associação Caatinga (AC) atua na conservação da única floresta exclusivamente brasileira, ameaçada, e que concentra a maior biodiversidade entre as regiões semiáridas do mundo. O objetivo é promover a conservação das terras, florestas e águas do bioma Caatinga para garantir a permanência de todas as suas formas de vida.

A organização promove a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento de muitas famílias mediante a conservação de nascentes e outros corpos de água na região, além de implementar tecnologias sociais focadas no saneamento, captação e uso sustentável do recurso no semiárido, onde muitas pessoas são afetadas pelas secas e, na maioria dos casos, não têm acesso aos serviços básicos.

Essas ações são desenvolvidas em 40 comunidades do entorno da Reserva Natural Serra das Almas, que perpassa os estados do Piauí e Ceará, oferecendo-lhes alternativas sustentáveis que permitam a conservação do bioma e o desenvolvimento local sustentável. O perfil do público inclui agricultores familiares, mulheres, crianças, professores, assentados rurais e indígenas.
No planejamento das ações, a organização utiliza a Agenda 2030 como núcleo central para a definição das prioridades, mais precisamente os ODS 6, 13 e 15.

Alguns resultados da iniciativa são:

Finalista

Luis Eduardo Salvatore

Instituto Brasil Solidário

O Instituto Brasil Solidário (IBS) trabalha há mais de 20 anos com projetos de desenvolvimento territorial, através de temas transversais abordados por meio de oficinas práticas de desenvolvimento cognitivo e competências socioemocionais, combinadas com ações de planejamento junto ao currículo escolar, a Base Nacional Comum Curricular e os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Os programas do IBS possibilitam à comunidade agir com autonomia e multiplicar as ações vivenciadas em oito eixos principais divididos em educação ambiental, educação financeira, incentivo à leitura, saúde e prevenção, empreendedorismo, arte, educomunicação e cidadania.

Por meio de um conceito amplo, que mescla construção de espaços modelo, formação e melhorias na gestão escolar, as atividades são realizadas em rede, estimulando e incentivando variadas práticas pedagógicas em sala de aula, promovendo a incorporação das atividades em políticas públicas locais, influenciando aumentos significativos no IDEB. A metodologia desenvolvida pelo IBS busca fazer da escola um ponto chave de transformação social, promovendo a capacitação e empoderamento dos indivíduos, ampliando as oportunidades para todos alcançarem o desenvolvimento. Suas ações se relacionam de forma transversal com 16 ODS da Agenda 2030.

Alguns resultados da iniciativa são:

Finalista

Saulo Barretto

Instituto de Pesquisas em Tecnologia e Inovação

O Instituto de Pesquisas em Tecnologia e Inovação (IPTI) é uma instituição de ciência, tecnologia e inovação que desenvolve soluções integradas entre tecnologia e processos humanos. O IPTI constrói um modelo de promoção do desenvolvimento humano e sustentável, baseado na geração sistêmica e evolutiva de tecnologias sociais nas áreas de educação básica, educação empreendedora e saúde básica, tendo como laboratório global o município de Santa Luzia do Itanhy (SE), um dos municípios mais pobres do Brasil.

Cada tecnologia social tem três fases de desenvolvimento (eficácia, escalabilidade e sustentabilidade), buscando resolver um problema social local e que poderá ter sua “solução” replicada para outros municípios brasileiros. O público atendido são crianças e adolescentes que moram em regiões de extrema pobreza, especialmente em municípios pequenos e remotos. O trabalho do IPTI visa à construção de tecnologias sociais gerando soluções que tornem mais eficazes os trabalhos e tomadas de decisão das secretarias de educação, saúde e assistência social dos municípios. A visão do IPTI é ser um centro de referências global em tecnologias sociais contribuindo solidamente para a Agenda 2030 e atuando com 16 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Alguns resultados da iniciativa são:

Saiba mais sobre as SDGs  e a Togetherband

Vídeos dos finalistas do Visionaris 2020

Saiba mais sobre outros empreendedores sociais que estão enfrentando a crise da COVID-19:


Visionaris 2019

Em 2019, a décima primeira edição teve mais de 80 projetos inscritos.

Os finalistas foram: Quero na Escola, ACER, Atados e Organização Cidades sem Fome.

Edições anteriores 

Vencedora: Cinthia Rodrigues Grecco
Organização: Quero na Escola
Tema: reduz os muros culturais entre escola e sociedade. Ao ouvir o que os estudantes querem aprender para além do currículo, conectam voluntários que possam atendê-los dentro da própria escola.
Lugar de atuação: Brasil

Vencedor: João Paulo Nogueira Ribeiro
Organização: Instituto Horas da Vida
Tema: oferece gratuitamente serviços e produtos de saúde (consultas, exames e óculos) para beneficiários de organizações sociais parceiras que atuam nas áreas de saúde, educação e cultura
Lugar de atuação: Brasil

Vencedor: Suzana Machado Pádua
Organização: IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas
Tema: Conservação da biodiversidade do País, por meio de ciência, educação e negócios sustentáveis.
Lugar de atuação: Mata Atlântica, Amazônia, Pantanal e Cerrado.

Vencedor: Fábio Bibancos de Rose
Organização: Turma do Bem
Tema: Gerenciamento de uma rede com 16 mil dentistas voluntários em 14 países, que oferece atendimento odontológico gratuito à população de baixa renda com graves problemas bucais.
Lugar de atuação: Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, México, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai, Venezuela e Portugal.

Vencedor: Nome do Finalista: Alice Gonçalves Freitas
Organização: Rede Asta
Tema: Venda de produtos artesanais criativos feitos por mulheres de classes desfavorecidas
Lugar de atuação: Rio de Janeiro - RJ

Vencedor: Fernando Almeida Alves
Organização: Rede Cidadã
Tema: Geração de trabalho e renda para jovens menos favorecidos, por meio da mobilização, identificação do perfil profissional, capacitação, inserção no mercado de trabalho e acompanhamento após a contratação.
Lugar de atuação: Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Pernambuco, Ceará, Goiás e Amazonas

Vencedor: Eugenio Scannavino Netto
Organização: Projeto Saúde e Alegria
Tema: Desenvolvimento Comunitário Integrado e
Sustentável (social, econômico, ambiental e cultural)
Lugar de atuação: Amazônia. Bacia do Rio Tapajós

Vencedor: Emmanuel Falcão
Organização: Assessoria de Grupo Especializada
Multidisciplinar em Tecnologia e Extensão (AGEMTE)
Tema: Desenvolvimento de processos educativos
solidários na zona rural e urbana
Lugar de atuação: Mata Norte e Brejo Paraibano 

Empresa Socialmente Responsável

A UBS AG, empresa líder no setor de serviços financeiros globais, considera a responsabilidade social como parte integral de sua identidade e modelo de negócios, que estão direcionados à criação de um valor sustentável que contribua para o bem-estar tanto de seus clientes, colaboradores e acionistas, como das comunidades em que atua.