Aumentam os riscos sobre o suprimento de energia

As turbulências geopolíticas e econômicas atuais continuam a pesar em uma ampla gama de classes de ativos. Embora ninguém possa prever com precisão o que acontecerá no futuro, indicamos alguns dos cenários mais prováveis.

Cenários de risco

Conheça os fatores que conduzem as decisões de investimento agora

4 cenários de risco

Não é segredo que a guerra na Ucrânia e seu preço, tanto humano quanto econômico, continuam a afetar tanto a Europa quanto o mundo. A Rússia não mostrou sinais de se afastar de seus objetivos. A Ucrânia, por sua vez, tem a intenção de preservar sua integridade territorial o máximo possível. Como resultado, a guerra provavelmente se arrastará por mais algum tempo.

 

Isto levou muitos países europeus, incluindo a Alemanha, a anunciar que pretendem abandonar o petróleo e o gás russos a fim de punir a Rússia e reduzir a dependência de sua energia. Mais fácil falar do que fazer. A questão principal é: a Europa consegue viver sem o abastecimento energético russo? E que impacto essa tentativa terá nas economias europeias? Já se fala em racionamento de gás, o que aumenta a incerteza dos investidores.

 

Embora não possamos prever com 100% de certeza o que acontecerá, oferecemos quatro possíveis cenários diferentes, dois de queda e dois de alta. Esses cenários têm como objetivo orientar os investidores nesses tempos turbulentos.

 

Os cenários levam em conta uma série de classes de ativos, incluindo commodities como petróleo, produtos agrícolas e metais industriais, bem como câmbio. Em seguida, apresenta aos investidores opções potenciais a serem consideradas. O objetivo é orientar os investidores por um período difícil no mercado.

Cenário de queda 1

Racionamento do fornecimento de gás na Europa

 

O risco  da Rússia interromper o fornecimento de gás natural para a Europa ou apenas permitir fluxos reduzidos que seriam insuficientes para as necessidades da Europa aumentou substancialmente nas últimas semanas.

 

Uma interrupção prolongada seria mais severa do que um corte do petróleo devido à dificuldade de armazenamento e transporte de gás, com muitos países europeus muito dependentes do gás canalizado.

 

A falta de fontes alternativas, mesmo a preços mais altos, significa que o gás russo é muito mais difícil de substituir do que o petróleo. A Alemanha, por exemplo, acionou recentemente a segunda etapa de seu "Plano de Emergência para Gás", a última etapa antes do "nível de emergência", que inclui o racionamento de gás.

 

O racionamento de gás na Europa causaria graves danos econômicos, pois as indústrias não poderiam operar em plena capacidade e a queda na produção se propagaria através das cadeias de suprimentos.

 

Também seriam sentidos novos aumentos intensos no preço do fornecimento disponível, com os lares sentindo o fardo. A menor renda disponível colocaria uma pressão ainda maior sobre o consumo, com uma recessão na Europa o resultado provável.

Cenário de queda 2

Escalada militar significativa

 

Reconhecemos um risco de uma escalada militar significativa. Isso poderia ocorrer se a Ucrânia conquistasse uma posição de supremacia na guerra ou se a Rússia partisse para uma resposta de retaliação à proposta da Finlândia e da Suécia de aderir à OTAN.


A Rússia poderia recorrer a medidas extremas, como testar armas de destruição em massa ou mesmo usá-las na Ucrânia. Essas ações podem provocar uma resposta da OTAN, aumentando o risco de um impasse militar direto entre a OTAN e a Rússia.

Cenário de alta 1

Interrupções contínuas, parando antes do racionamento de gás

 

Neste cenário, continuamos a ver interrupções no fornecimento de energia de petróleo e gás russo à Europa. Entretanto, os fluxos de gás para a Europa são suficientes para que a Europa aumente suas reservas antes do inverno, garantindo que não haja interrupções e aliviando as pressões sobre os preços. Além disso, a Europa é capaz de reduzir significativamente sua dependência energética do petróleo e do gás russos até o final do ano.

 

Esse cenário não exclui um conflito prolongado ou uma postura agressiva da Rússia em resposta à proposta da Finlândia e da Suécia de aderir à OTAN. Da mesma forma, permite um endurecimento das sanções, incluindo mais pressão sobre outros países para limitarem as importações de energia da Rússia.

 

Vários países europeus terão dificuldades, mas a Zona do Euro como um todo deve experimentar um crescimento moderado. A volatilidade do mercado permanecerá elevada e os preços da energia permanecerão altos.

Cenário de alta 2

Conversações Rússia-Ucrânia

 

Neste cenário, vemos a ameaça de um conflito cada vez mais amplo diminuir após um novo impulso nas conversações de paz Rússia-Ucrânia, o que torna mais provável um cessar-fogo. Isso também permitiria a recuperação do fluxo de gás russo para a Europa e levaria à redução dos preços globais das commodities, aliviando a pressão inflacionária.


Explore mais

Descubra as últimas ideias de investimento

Registre-se em LatAm Access+ para acessar ideias de investimentos.

Investidores estão vigilantes à medida que a inflação continua

Apresentamos os resultados da pesquisa UBS Investor Sentiment no Brasil.

Vozes das próximas gerações: patrimônio, legado e impacto

Apresentamos o que as próximas gerações pensam sobre patrimônio, legado e impacto.