Perguntas Frequentes

Como as ações são negociadas?

O investidor transmite sua ordem de compra ou venda de ações para a Corretora da qual é cliente. A Corretora, por meio de seus operadores, lança a ordem no Mega Bolsa, o sistema eletrônico de negociação da BM&FBovespa. Caso haja uma ordem no sentido contrário de mesmo valor, o negócio é fechado na hora.

Como o preço é formado?

O preço da ação é formado pelos investidores do mercado que, dando ordens de compra ou venda de ações às Corretoras das quais são clientes, estabelecem o fluxo de oferta e procura de cada papel, fazendo com que se estabeleça o preço justo da ação.

A relação oferta/procura por determinada ação, que influencia o processo de valorização ou desvalorização de uma ação, está relacionada ao comportamento histórico dos preços e principalmente às perspectivas futuras de desempenho da empresa emissora da ação.

Tais perspectivas podem ser influenciadas por notícias sobre o mercado no qual a empresa atua, divulgação do balanço da empresa (com dados favoráveis ou desfavoráveis), notícias sobre fusão de companhias, mudanças tecnológicas e muitas outras que possam afetar o desempenho da empresa emissora da ação.

Qual o prazo mínimo para ficar com uma ação?

Não há prazo mínimo nem máximo para se manter uma ação. Se desejar, você pode vender a ação no mesmo dia em que a comprou, realizando um day trade.

Como se determina alta ou baixa de uma ação?

É necessário observar a sua oscilação, ou seja, a variação (positiva ou negativa) no preço da ação em um determinado período de tempo. Determinamos se uma ação está em alta ou em baixa verificando a relação entre o último preço negociado da ação e o seu preço de fechamento no dia anterior. Assim, se o último preço negociado para a ação for superior ao seu preço de fechamento do dia anterior, essa ação está em alta; se for inferior, a ação está em baixa.

Exemplo: se o preço de fechamento de uma ação X no dia anterior foi de R$ 1,00 e, hoje, o primeiro negócio realizado com a ação efetivou-se ao preço de R$ 1,05, dizemos que a ação teve uma oscilação positiva de 5%, ou seja, alta de 5%. Caso ocorra posteriormente outro negócio com a ação, concretizado ao preço de R$ 1,03, a oscilação positiva foi de 3%; e assim durante todo o dia, sempre comparando o último preço à cotação de fechamento do dia anterior.

O que é qual a finalidade de um índice?

Um índice de ações é um indicador do desempenho de uma carteira teórica de ações. Os índices de ações têm por finalidade servir como indicador médio do comportamento do mercado acionário como um todo, ou de um segmento econômico específico do mercado (no caso dos índices restritos e setoriais). Assim, os índices são desenhados de modo a mostrar se as ações do mercado, em média, valorizaram-se ou se desvalorizaram em um dado período de tempo.

Os índices de ações são calculados pelas Bolsas de Valores ou por instituições especializadas.

O que é carteira teórica?

É um grupo de ações no qual se fará o investimento teórico representado pelo índice. Isto é, são as ações escolhidas para comporem o índice.

Quem escolhe os papéis de um índice?

Cada índice tem um objetivo (por exemplo, representar todo o mercado ou apenas um segmento dele), e, portanto, tem critérios específicos de escolha das ações que irão compor sua carteira. Esses critérios são chamados de “critérios de inclusão” e constam das metodologias dos índices da BM&FBovespa.

As companhias retiradas do índice devem ser consideradas um mau investimento?

Não. A inclusão ou exclusão de uma ação da carteira de um índice não reflete os méritos da companhia em si. Sua eventual remoção reflete apenas a estrutura corrente do índice, e o fato de que a ação não mais atende aos critérios para integrar tal índice.

Muitas dessas companhias podem ser excelentes investimentos quando analisadas em si.

Que tipos de índices de ações existem?

Índice de preços: indicador que considera apenas as variações dos preços das ações, ajustando as quantidades teóricas exclusivamente para proventos em ações. Outros proventos em dinheiro (ex. dividendos, direitos de subscrição, etc.) não são levados em consideração na apuração desse índice.

Índice de retorno total: valor do índice de preços acrescido do reinvestimento de dividendos e outros proventos distribuídos pelas empresas emissoras. Os proventos são reinvestidos no índice na data “ex-provento” (data em que a ação começa a ser negociada com o provento já descontado do seu valor). Assim, esse é um índice que mede o retorno total das ações componentes de sua carteira.

Índices amplos: representam o mercado como um todo. Podem ser compostos por todas as ações listadas naquele mercado, ou por um grupo de ações que têm significativa participação na negociação total e, assim, refletem de modo acurado o desempenho médio de todas as ações (por exemplo, o Ibovespa representa, no mínimo, 80% do número de negócios e do volume financeiro transacionados no mercado à vista, e também aproximadamente 70% da capitalização das empresas negociadas).

Índices restritos: representam o comportamento de uma parte determinada do mercado, como, por exemplo, o grupo das ações mais negociadas (“blue chips”) ou o grupo das ações bem conceituadas junto aos investidores, mas que não estão incluídas entre as mais negociadas (ações de “segunda linha”).

Índices setoriais: representam o comportamento de setores econômicos específicos (ex. energia elétrica; telecomunicações; metalurgia; etc.), sendo compostos exclusivamente por ações de indústrias desses setores.

Os índices podem prever se o mercado irá subir ou cair?

Não. Embora alguns analistas de mercado – técnicos ou grafistas – utilizem o comportamento histórico dos índices como base para suas projeções sobre o futuro comportamento do mercado ou de um setor, os índices têm como propósito representar acuradamente o comportamento do mercado até o momento presente. Ou seja, demonstrar para onde o mercado caminhou (e não o seu futuro).